Guia do universitário: morar em kit, ap ou casa?


Quando procuramos um imóvel, nos preocupamos com localização, preço, facilidades (tópicos que já abordamos neste texto aqui). Além de tudo isso, há outro ponto essencial: o tipo de imóvel. Para universitários ou não, a pergunta é a mesma: morar em kitnet, apartamento ou casa?

KITNET

Kitnetes são pequenos apartamentos. Eles podem ser construídos em andares ou também apenas no térreo. Geralmente, apresentam no máximo três cômodos: cozinha/sala, quarto e banheiro. Alguns possuem uma sala separada da cozinha ou até mesmo uma pequena área de serviço. Em outros, a área de serviço pode ser comum a todos os moradores.

Pelo seu tamanho, as kitnetes são uma ótima opção para quem mora sozinho. Além do valor do aluguel ser menor, também há maior facilidade em manutenção e limpeza. Pessoas que passam a maior parte do tempo viajando ou no trabalho, também preferem kitnetes.

Alguns imóveis são espaçosos o suficiente para dividir com outra pessoa. Mas tudo irá depender muito da rotina. Por exemplo, se são duas pessoas que ficam a maior parte do tempo em casa, o espaço pode ficar pequeno para dois. Contudo, algumas kitnetes possuem até um pequeno quintal. O que pode ser ótimo para quem não se sente muito bem em espaços fechados.

Afora os pontos acima, na hora de alugar o imóvel, confira com sua imobiliária ou corretor se há taxa de condomínio, IPTU, se possui garagem e se o valor total já inclui alguma outra despesa como água, luz, gás ou até mesmo internet.

APARTAMENTO

Apartamentos costumam ser mais espaçosos e também possuir mais cômodos que as kitnetes. A divisão dos cômodos geralmente é composta por quarto, banheiro (suíte ou não), sala, cozinha e área de serviço. Alguns ainda possuem sacada, o que pode ser útil na ventilação do espaço.

Podem ser ideais para quem mora sozinho ou divide o local com alguém. Para morar sozinho, apartamentos são úteis a pessoas que possuem muitos móveis, por exemplo. Ou mesmo pessoas que preferem lugares mais espaçosos. Para dividir, vários apartamentos possuem dois ou mais quartos, trazendo maior privacidade aos moradores.

Além desses pontos, apartamentos geralmente levam vantagem na questão segurança. Muitos possuem portaria 24 horas, câmeras de vigilância, portão e cerca elétrica. Ainda que mais espaçosos, apartamentos costumam ser menores que casas, sendo assim, caso você procure um imóvel em uma região central ou bem valorizada, optar pelo apartamento pode ser financeiramente atrativo.

Afora questões relacionadas ao valor, não deixe de conferir a estrutura do condomínio, se há apenas escadas ou elevadores, quantos apartamentos há por andar, se possui área de lazer ou garagem, etc.

CASA

Casas, sem dúvida, são vantajosas no quesito espaço. Os modelos variam de acordo com o perfil do morador e também com relação ao valor. Há casas com garagens para mais de um carro, quintal espaçoso, cozinha + sala de jantar, vários banheiros, escritório, etc.

Este tipo de imóvel é o mais ideal para repúblicas com vários moradores ou mesmo para grandes famílias. Por conta de serem separadas de outras construções por muros, oferecem maior privacidade e menos problemas com barulho de vizinhos, por exemplo. Casas ainda são ideais para pessoas que possuem algum bichinho de estimação ou tenham vontade de ter um jardim.

Ainda que haja casas localizadas em condomínio, a maior parte delas não têm essa despesa. O que pode ser um atrativo. Por outro lado, requerem maior manutenção e também maior cuidado com segurança.

Seja qual for o tipo de imóvel, esteja sempre atento à localização, valores, diferenciais, estrutura da construção e espaço. Informe à sua imobiliária ou corretor quais suas necessidades, assim, eles podem te ajudar a fazer a melhor escolha.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Reforma ou manutenção: quais as responsabilidades do inquilino e do proprietário?


Quem já alugou algum imóvel sabe que um dos pontos que sempre gera dúvidas, tanto em inquilinos quanto em proprietários, diz respeito às reformas. Afinal, quando o assunto é reforma ou manutenção, quais são as responsabilidades de inquilinos e de proprietários? Para não ficar na dúvida, confira no post de hoje todas as informações que você precisa saber sobre o assunto.

contrato

Primeiramente, caso alguma das partes queira, em qualquer momento, fazer alguma reforma ou manutenção, é necessário que o contrato firmado, entre locador e locatário, contenha as responsabilidades de cada uma das partes.

A cláusula que prevê tal situação deve também especificar multa em caso de descumprimento e o respectivo valor. Contudo, quando algumas situações específicas escaparem ao disposto no documento, é recomendado que locador e locatário conversem para chegar a um comum acordo.

legislação

Caso o contrato estabelecido entre as partes não seja suficiente para sanar a questão, temos a lei nº 8425/91, que dispõe sobre as locações dos imóveis urbanos e os procedimentos a elas pertinentes. Tal legislação também especifica alguns direitos e deveres de inquilinos e proprietários. Vamos, agora, ver alguns deles quando o assunto é reforma/manutenção.

locador

Em primeiro lugar, o locador é obrigado a entregar ao locatário um imóvel em condições em que possa ser usado. Dessa forma, ele também é responsável pelos defeitos, no imóvel, anteriores à locação (por isso a importância do laudo de vistoria).

Ainda segundo a lei 8425, o locador é responsável por “X – pagar as despesas extraordinárias de condomínio”. Tais despesas dizem respeito àquelas que não se enquadram como gastos rotineiros de manutenção do imóvel, dentre elas:

“a) obras de reformas ou acréscimos que interessem à estrutura integral do imóvel;
b) pintura das fachadas, empenas, poços de aeração e iluminação, bem como das esquadrias externas;
c) obras destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício’.

Ou seja, obras que envolvam a integridade do imóvel e sua estrutura ficam, em geral, a cargo do locador. Porém, tudo dependerá sempre do contrato de locação assinado por ambas as partes.

locatário

Caso alguma manutenção ou reforma que o locatário queira fazer se enquadre em qualquer um dos tópicos acima, o locatário deverá, primeiramente, entrar em contato com o locador para que ele providencie os reparos. Se houver uma imobiliária como intermédio, o locatário deve primeiro entrar em contato com a empresa para que ela informe o locador sobre os reparos.

A cargo do locatário estão reparos de danos provocados por si ou terceiros, por exemplo, se o ralo do banheiro entupir por excesso de detritos jogados no encanamento, o reparo deve ser feito diretamente pelo locatário.

Também é responsabilidade do locatário danos decorrentes do uso, ao longo do tempo, do imóvel pelos seus habitantes, por exemplo, se a torneira da pia começar a pingar pelo desgaste da borracha, o reparo fica por conta do morador.

Por outro lado, é proibido ao inquilino fazer qualquer mudança interna ou externa no imóvel sem que haja consentimento prévio do proprietário.

Siga sempre os procedimentos previstos em contrato e lembre-se de que o imóvel precisa ser entregue e devolvido segundo as especificações presentes no laudo de vistoria.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Roca Imóveis participa do Conecta Imobi 2018

Em pé: Sueli Russo, Augusto Silva, Heliana Ferrari, Edna Spolarhic, Silmara Carniel, Rodrigo Oehlmeyer, Marcos Nardeis, Frederico Oehlmeyer, Adriano Robazza (AVR Engenharia) e Anna Labaki.
Agachados: Helezer Rodrigues, Maria Lucia Deval, Thales Hussni, Ettore Lazarini, Gabriel Pastro, Caco Oehlmeyer e Marcelo Catoia.

Entre os dias 11 e 12 de setembro, aconteceu em São Paulo a 5ª edição do Conecta Imobi – o maior e mais completo evento de inovação, tecnologia, negócios e marketing do mercado imobiliário na América Latina! E a Roca Imóveis esteve presente, buscando novidades para o mercado imobiliário. Confira!

o evento

Organizado pelo Grupo ZAP, o Conecta Imobi 2018 reuniu mais de 4000 profissionais do setor em palestras, cases, estandes, workshops e muito networking. O evento é uma ótima oportunidade para os profissionais se atualizarem, obtendo informações sobre o mercado e tendo contato com as principais tendências do setor.

Além de oferecer oportunidades de negócios, troca de experiências e muito aprendizado, a feira também apresenta o que a de mais inovador relacionado ao mercado imobiliário, principalmente sua relação com o setor tecnológico.

Segundo Helezer Rodrigues (Analista de TI Roca Imóveis), que participou da feira, “durante o evento foi possível perceber que a tecnologia e a inovação estavam presentes em todas as palestras”. Além disso, o analista destaca a importância da tecnologia para o setor: “as principais ferramentas para o ramo imobiliário passam por uma revisão tecnológica e, com isso, o papel do profissional de TI é cada vez mais importante e indispensável nesse mercado”.

O evento ainda contou com grandes palestrantes, como Roberto Justus, Marcio Garcez (Google Brasil), Gabriela Comazzetto (Facebook), Tatiane Shirazawa (Great Place to Work), Eduardo Schaeffer (Grupo Globo), Mauro Segura (IBM), Javier Ortiz (Mitula) e muitos outros.

participação da roca

Mais uma vez, a Roca Imóveis foi ao evento com seu time de gestores e colaboradores, demonstrando sua busca por novidades no mercado. Neste ano, a imobiliária levou 17 pessoas ao Conecta, o maior número de participações de toda a região de São Carlos.

Para a empresa, estar em eventos como esse é uma questão não só de atualização, mas também de adaptação. “É imprescindível hoje que qualquer empresa tenha, em sua essência, a capacidade de ser inovadora. E ser inovadora consiste não apenas em novas tecnologias, mas também em novos processos e serviços”, ressalta Frederico Oehlmeyer (Diretor Roca Imóveis).

Com o compromisso de trazer cada vez mais novidades e melhora nos serviços, a Roca Imóveis tem um histórico de novos procedimentos implantados na empresa, a partir de suas participações no Conecta Imobi. A imobiliária já se utiliza da assinatura digital nos contratos de locação, de novos processos de captação e organização de imóveis e também da implantação do tour 360º. Sempre trazendo novas experiências e facilidades ao cliente.

Além das inovações, os participantes ressaltam a importância do evento para a troca de conhecimentos e o fortalecimento de laços entre a própria equipe. Anna Labaki (Gerente de Locação Roca Imóveis), complementa: “Nossa união nessa empreitada trouxe a todos um leque de conhecimento e ideias, além do orgulho de participar dessa viagem”.

Em 2019 tem mais! Enquanto isso, a Roca já começa a implementação de novos recursos aprendidos no Conecta Imobi 2018, como controle de leads, chatbots e realidade virtual.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Conheça os bairros da região noroeste de São Carlos

Já falamos aqui no blog sobre os bairros da região norte e central de São Carlos. Hoje, vamos continuar este passeio pela cidade e conhecer um pouco mais sobre outra região: a região noroeste de São Carlos.

PARQUE STA. MÔNICA, JARDIM BETHÂNIA, S. VICENTE DE PAULA, JARDINS GIBERTONI, PAULISTA E SÃO CARLOS

Essa região fica ao lado do Centro da cidade, possuindo alguns dos principais aparelhos públicos, praças e imóveis. A região se destaca no setor da saúde: estão localizadas aqui a Santa Casa de São Carlos e a Santa Casa Maternidade, além da USF Dr. João Martins Villari, localizada no Jardim São Carlos, e o asilo, localizado no Jardim Bethânia.

No campo cultural, temos na região um dos principais órgãos culturais da cidade: o SESC São Carlos. Na educação, a região possui a CEMEI Cecília Rodrigues e a E.E. Sebastião de Oliveira Rocha. Por fim, aqui estão localizados o Recreio Joaquim Zotti Nery e as praças Gisto Rossi, Prof. Miguel Carlos Stamato e a Dr. Luiz Arrobas Martins.

PARQUE SANTA FELÍCIA E MORADA DOS DEUSES

Esta região compreende um bairro de grandes proporções, o Santa Felícia.
Na área, foi possível identificar algumas praças públicas, como a área de lazer “Gabriel Ramires Palan”, a São Paulo da Cruz, a Reverendo David Azevedo e a Professor João Egberto Camargo.

Na educação, a região conta com uma EE, “Atília Prado Margarido”. Também estão localizados aqui o Campo de Futebol Francisco Costa e o Ginásio de Esportes José Eduardo Gregoracci.

Na área da saúde, a região possui uma NIS e a UBS Dr. Benjamim Lopes Ozores. Além de, no campo da segurança, possuir a sede da Guarda Civil Municipal.

JARDIM BANDEIRANTES, PARQUE E PLANALTO PARAÍSO, JARDINS SANTA JÚLIA E ALVORADA

Localizada entre o Santa Felícia e o Jardim Paraíso, esta região carece de aparelhos públicos. No último mapeamento da cidade, de 2011, a região contava com apenas uma CEMEI, a “Maria Lúcia Marrara”. Além da praça João Paulo II, que fica no limite entre a Morada dos Deuses e o Jardim Bandeirantes.

E aí, curtindo o passeio? Fique atento ao blog, em breve traremos mais informações sobre outros bairros da cidade.
Um abraço da equipe Roca e até mais!

A participação das mulheres no mercado imobiliário


Segundo matéria da FENACI (Federação Nacional dos Corretores de Imóveis), a participação das mulheres no mercado imobiliário, atualmente, já é superior a 40%. As mulheres atuam enquanto corretoras, além de já estarem presentes nos órgãos representativos da categoria, como sindicatos. Mas, você sabia que até há pouco tempo era proibido que as mulheres atuassem como corretoras?

a história

No Art. 37º do Código Comercial Brasileiro encontramos a seguinte redação: “Não podem ser corretores: […] 2. as mulheres”. Ou seja, era expressamente proibido por lei que as mulheres praticassem tal profissão. Foi apenas em 1958 que a cláusula foi revogada.

participação significativa no mercado

A participação das mulheres no mercado imobiliário data de apenas 60 anos, o que faz com que a porcentagem de 40%, citada na pesquisa da FENACI, seja altamente significativa. Além disso, a cada dia elas conquistam mais espaço.

Pesquisa recente divulgada pelo Creci-RJ (Conselho Regional dos Corretores de Imóveis) revelou que a participação feminina na corretagem de imóveis aumentou 122% entre 2006 e 2016.

SUPERAÇÃO

A trajetória das mulheres como corretoras contou com vários obstáculos. Após a eliminação do impedimento legislativo, tiveram que conquistar, aos poucos, o mercado, tendo grande ascensão durante a década de 90.

Atualmente, profissionais da área demonstram-se felizes pela participação feminina,  além de reivindicarem maior espaço dentro de órgãos representativos da categoria. Recentemente, as mulheres começaram a assumir, pela primeira vez, cargos de presidência ou vice-presidência dentro dos conselhos e federações.

PROFISSIONALIZAÇÃO

Um dos fatores mais citados, em diferentes pesquisas, para o aumento da participação das mulheres no setor imobiliário, diz respeito à profissionalização. Para exercer a profissão de corretora, é necessário formação acadêmica.

De forma geral, as mulheres representam a maior parcela de alunos que ingressam no ensino superior. Segundo dados do Censo da Educação Superior de 2016, as mulheres representavam 57,2% das matrículas em cursos de graduação.

Ademais, pesquisas demonstram que o público feminino tende a buscar maior formação e capacitação ao longo da carreira, além de representar cada vez maior participação no mercado de trabalho.

COMPETÊNCIA

Outras características também são apontadas por profissionais da área. Corretoras tendem a ser melhores na resolução de conflitos, além de se demonstrarem mais empáticas às exigências do cliente, terem maior criatividade e habilidade de comunicação.

Mesmo após tanto progresso, as mulheres ainda sofrem com o preconceito e machismo, em qualquer profissão. Contudo, elas têm vencido esses obstáculos e conquistado cada vez mais espaço no mercado nacional e mundial. E que essa participação cresça cada vez mais!

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Quais as vantagens de morar em condomínio?


Falamos aqui no blog, recentemente, sobre o pacote de medidas, lançado pelo Governo Federal, para facilitar a compra da casa própria. Depois de verificar as possibilidades de financiamento, vem uma parte também muito importante: qual imóvel adquirir? Dentre as opções, casas em condomínios fechados estão entre as mais procuradas. Mas, por que esse tipo de investimento ganhou tanto destaque nos últimos anos? Confira aqui algumas vantagens de morar em condomínio.

segurança e privacidade

Um dos pontos mais fortes que tem elevado o investimento em condomínios de casas está relacionado à segurança. Vários empreendimentos oferecem portaria 24 horas, além de muros altos, cerca elétrica, monitoramento por câmeras e também por ronda. Ou seja, não há dúvidas de que você e sua família estarão seguros.

Além disso, condomínios também dão maior privacidade, já que as visitas são controladas pela portaria e as ruas são apenas usadas para movimentação dos moradores, evitando alguns transtornos que podem acontecer em vias públicas.

crianças

Quando o assunto é crianças, os condomínios, além de oferecerem segurança, também oferecem conforto. Vários empreendimentos oferecem espaço kids, o que facilita a vida dos pais ao poderem levar os filhos para brincar perto de casa.

Ademais, condomínios se organizam em torno de uma comunidade que deverá tomar algumas decisões em conjunto. Isso faz com que você conheça seus vizinhos, fazendo com que, por exemplo, sinta-se à vontade para deixar as crianças brincarem na frente de casa.

valorização

Condomínios seguem um projeto de construção rigoroso. Embora com isso as casas sejam padronizadas, restritas a alguns modelos, tal fator garante a qualidade do projeto arquitetônico como um todo – casas, espaços comuns e ruas. Além disso, há vários condomínios localizados em lugares privilegiados da cidade, trazendo conforto aos seus moradores e também garantindo a valorização do empreendimento.

Tais fatores fazem o investimento em um condomínio ser garantido.

qualidade de vida

Como uma junção de todos os fatores acima, temos a qualidade de vida. Morar em um condomínio fechado proporciona maior tranquilidade e conforto. Além disso, alguns empreendimentos oferecem opções de lazer como piscinas, jardins, quadras de esportes, etc.

E aí? Pronto para a mudança? Procure um corretor ou imobiliária de confiança e veja as opções de condomínios em sua cidade! 🙂

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Setor imobiliário ganha pacote de medidas e FGTS pode ser usado para a compra de imóveis de até 1,5 milhão


Trabalhadores em regime CLT possuem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Esse fundo é semelhante a uma poupança, porém, aberta pelo empregador em nome do empregado. Tal valor pode ser usado em algumas situações, e uma delas é adquirir a casa própria.
Tal procedimento é um dos mais buscados atualmente e é regularizado por algumas regras. Uma delas foi alterada recentemente: agora será possível financiar imóveis até o valor de 1,5 milhão, utilizando recursos do FGTS.

o que muda?

A medida valerá a partir de 1º de janeiro de 2019 e pode ser usada para o financiamento de imóveis residenciais novos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Antes das mudanças, o valor máximo do imóvel a ser financiado deveria ser de R$ 950 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e R$ 800 mil no resto do país.

O teto de R$ 1,5 milhão já vigorou anteriormente, mas como medida provisória. Agora, além de aumentar o valor e fixá-lo, não há mais distinção do montante a ser usado de acordo com a região.

maior flexibilização

Outra mudança diz respeito à parcela do valor que os bancos são obrigados a aplicar no crédito imobiliário. Até então, os bancos deveriam destinar 65% do valor da caderneta de poupança para o financiamento de imóveis, sendo 80% empregados no SFH.

A partir de janeiro, a porcentagem de 80% deixará de vigorar, podendo imóveis de qualquer valor ser financiados.

Na prática, o pacote de medida flexibiliza a destinação de recursos dos bancos para o setor imobiliário, possibilitando a compra de imóveis mais caros, ao mesmo tempo em que auxilia a compra de imóveis abaixo de R$ 500 mil, favorecendo a classe média. E, no fim, a construção civil também comemora.

Exigências da construção civil

Recentemente, empresários e representantes da Câmara da Indústria da Construção Civil se reuniram com o governo para discutir medidas que deveriam ser tomadas para estimular a construção no país, já que o setor vinha recuando desde 2014.

As mudanças agradaram, porém não a data estipulada (1º de janeiro de 2019). Atualmente, os setores negociam para tentar fazer com que as medidas entrem em vigor já em setembro de 2018.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Guia do calouro: morar sozinho ou em república?


Ir morar em outra cidade ou estado é sempre um desafio para calouros que acabaram de ingressar na faculdade. Fora a pressão de iniciar uma carreira, há muitas outras decisões a serem tomadas. Por isso, já falamos aqui no blog sobre Onde e com quem morar em São Carlos. Hoje, vamos voltar um pouco a esse tópico e discutir sobre o que é melhor: morar sozinho ou em república?

PERFIL SOCIAL

Um dos principais pontos a ser levado em consideração é o seu perfil social. Em cidades universitárias, há diversas repúblicas tradicionais. Essas repúblicas são casas de estudantes que existem há anos e, por isso mesmo, além de terem seus nomes conhecidos no meio universitário, também possuem um calendário social.

Por exemplo, muitas repúblicas participam ou até mesmo coordenam projetos de assistência social. Além disso, essas repúblicas organizam festas que são tradicionais na cidade.

Resumindo: em primeiro lugar, para se dar bem em uma rep, você precisa estar disposto a participar de todos esses eventos. Eles são construídos e organizados entre os moradores e será esperado que você ajude nessa organização.

PERFIL INTERPESSOAL

Em segundo lugar, temos a sua relação com as outras pessoas. Pessoas mais introvertidas tendem a preferir morar sozinhas. Isso permite que elas tenham seu próprio espaço, possam organizá-lo como quiserem e procurem contato social apenas quando desejarem.

Já pessoas extrovertidas, geralmente, não têm problema em dividir os cômodos da casa (inclusive o quarto) com várias pessoas, optando por morar em repúblicas. Pessoas que se encaixam nesse perfil podem se sentir sozinhas caso decidam morar sozinhas.

Por outro lado, há pessoas que buscam, conscientemente, tomar decisões que não se encaixam tanto no perfil. Como assim? Por exemplo, se você é uma pessoa introvertida e, por isso mesmo, gostaria de conviver com mais pessoas e interagir mais socialmente, procurar uma república pode ser um bom começo.

PERFIL ECONÔMICO

Por fim, um outro ponto muito importante é a questão econômica. De forma geral, morar em repúblicas sai mais barato. Isso porque as contas são divididas em várias pessoas. Além disso, é possível morar em uma casa muito grande, em um ótimo bairro, pagando um preço acessível.

Para pessoas que prefiram morar sozinhas, será necessário gastar um pouco mais. Não só para pagar o aluguel, mas também, por exemplo, para mobiliar a kit ou ap.

Leve em consideração todas suas despesas: aluguel, água, luz, condomínio, alimentação e mobilidade, para decidir qual das opções é mais acessível economicamente para você.

 

Para tomar a decisão de morar sozinho ou em rep a principal questão é: faça escolhas que estejam de acordo com o seu perfil e que o deixem o mais confortável possível. Morar em um ambiente que não lhe agrada pode prejudicar diretamente seus estudos. Além disso, lembre-se de que essas decisões não são eternas! Caso você tenha feito uma escolha e depois percebeu que não se sente muito satisfeito com ela, você ainda pode mudar e procurar outro lugar que lhe agrade mais 🙂

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Conheça o Centro de São Carlos


Já falamos aqui no blog sobre os bairros da região norte de São Carlos. Hoje vamos continuar este passeio pela cidade e conhecer um pouco mais sobre a principal região da cidade: o centro de São Carlos.

o centro

O centro de qualquer cidade é sempre privilegiado e, em São Carlos, não é diferente. Temos nesta região diversos aparelhos públicos, áreas de lazer, comércio de todo tipo, além de um setor imobiliário forte.

Localizada na Praça Âugelo Luporini, entre as ruas 13 de Maio e Conde do Pinhal, pertence a esta região o principal cartão postal da cidade: a Catedral São Carlos Borromeu. Foi a partir dessa catedral, uma réplica da Basílica de São Pedro (Vaticano), que a cidade foi construída.

Também estão localizadas, na região, as entidades assistenciais: Projeto Nosso Amigo, Instituto de Atividades Inclusivas (IAI), o Conselho Tutelar, o CMDCA (Conselho Mun. dos Direitos da Criança e do Adolescente) e o Complexo NAI.

Na parte cultural, aqui se encontra a sede do São Carlos Clube, o Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC) da USP e a Oficina Cultural Sérgio Buarque de Holanda.

educação

Em questão educacional, temos a Creche Anita Costa, além de várias escolas estaduais: E.E. Cel Paulino Carlos, E.E. Eugênio Franco, E.E. Sebastião de Oliveira Rocha e E.E. Luiz Augusto de Oliveira.

Aqui nos deparamos com mais um cartão postal da cidade, reconhecido como Patrimônio Histórico e Cultural do Estado de São Paulo, a E.E. Dr. Álvaro Guião, fundada em 1911.

A região também é sede do SENAC, da Escola Livre de Música Maestro João Sepe, do CEFA (Centro de Educação e Formação ao Adolescente “Prof. Cid da Silva César”) e do polo presencial da UAB (Universidade Aberta do Brasil).

saúde e praças

Com relação à saúde, a região possui quatro centros de atenção especializada, dois laboratórios, uma UPA e é sede da Vigilância Epidemiológica e Sanitária.

Por fim, o Centro possui um total de 19 praças públicas! Destacamos as praças Paulino Carlos Botelho, Dom José Marcondes, Oswaldo Cruz, Dos Voluntários, Pedro de Toledo, Santa Cruz, Largo São Benedito, Antônio Prado, Barão do Rio Branco, dos Universitários, São Lucas, Dos Expedicionários e do Mercado Municipal.

Nessas praças estão localizados diversos prédios históricos e aparelhos públicos, além de serem locais ótimos para um passeio a lazer. Na praça Christiano Altenfelder Silva (conhecida como Praça XV de Novembro), por exemplo, acontece uma feirinha com objetos artesanais e também diversos tipos de comidas.

E aí, gostou desse passeio pelo centro da cidade?

Um abraço da equipe Roca e até mais!

O guia completo de como fazer mudança


Mudar de casa é um processo de renovação. Ir para um imóvel novo, mais perto do trabalho, da faculdade, que seja mais sua cara ou até mesmo mudar de cidade. A sensação de entrar na casa nova é ótima. Mas, só de pensar em todo o trabalho já vem aquela preocupação? Confira, nesse guia de como fazer mudança, dicas para facilitar o processo e ter uma mudança tranquila, sem caos.

pré-mudança

Antes de começar a mudar de fato, é necessário preocupar-se com alguns pontos. Primeiro, veja a melhor data. Isso deve levar em consideração, além da sua disponibilidade, também as regras do local para onde você vai. Por exemplo, alguns condomínios permitem mudanças apenas em dias e horários específicos. Não se esqueça de verificar essa questão para não ser pego de surpresa.

Depois, já providencie o orçamento do frete. Assim você terá tempo de escolher o melhor custo/benefício e também de já ver a disponibilidade do serviço.

instalações

Também providencie com antecedência as instalações, por exemplo, o chuveiro, e confira se a energia da casa está ligada. Meça os cômodos para saber se seus móveis irão caber e evite surpresas de última hora. Também deixe certo quais móveis precisarão ser desmontados/montados ou colocados nas paredes, e quem realizará esse trabalho.

embalagens

Em seguida, providencie as caixas ou embalagens que serão usadas. Alguns fretes já oferecem o material, outros não. Você pode pedir algumas caixas em supermercados, por exemplo, ou outras lojas. Também pode usar jornais ou páginas de revistas para embalar os objetos frágeis. A questão é não deixar nada para a última hora, vá embalando os objetos que você menos usa aos poucos.

desapego

Essa é uma boa hora para fazer aquele limpa e doar ou vender objetos e roupas que você não usa mais. Leve só o necessário e economize tempo e trabalho!

facilite o processo

Roupas de pendurar podem ser levadas direto no cabide. Você também pode levar as gavetas dos móveis já com os objetos dentro. Assim, na hora de arrumar, é só colocar no lugar.

separe e organize

Escreva nas embalagens a quais cômodos elas pertencem. Por exemplo, na caixa de panelas escreva “cozinha”. Depois, decida a ordem em que levará os móveis e caixas e oriente o frete sobre em quais cômodos ele deve colocá-los. Assim você não corre o risco de precisar mover objetos pesados sozinho.

deixe alguns objetos com você

O ideal é que objetos de grande valor (monetário ou sentimental) sejam carregados com você no carro. Também separe, para cada morador, uma pequena mala com alguns itens necessários, por exemplo: algumas mudas de roupa, documentos pessoais e objetos de higiene pessoal. Assim, depois da mudança, você conseguirá viver normalmente sem precisar revirar as caixas em busca desses objetos.

prioridades

Comece arrumando os cômodos mais usados como, por exemplo, a cozinha. Depois, passe para o banheiro, quartos, sala e só depois outros como escritório. Objetos de decoração, livros, discos, etc, podem ser arrumados ao longo das semanas e com calma. Foque nos objetos que são mais usados e necessários para você e sua família.

Pronto! Sua mudança será um sucesso e você poderá curtir a casa nova com tranquilidade, sem estresse ou contratempos.

Um abraço da equipe Roca e até mais!