Trabalhadores em regime CLT possuem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Esse fundo é semelhante a uma poupança, porém, aberta pelo empregador em nome do empregado. Tal valor pode ser usado em algumas situações, e uma delas é adquirir a casa própria.
Tal procedimento é um dos mais buscados atualmente e é regularizado por algumas regras. Uma delas foi alterada recentemente: agora será possível financiar imóveis até o valor de 1,5 milhão, utilizando recursos do FGTS.

o que muda?

A medida valerá a partir de 1º de janeiro de 2019 e pode ser usada para o financiamento de imóveis residenciais novos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Antes das mudanças, o valor máximo do imóvel a ser financiado deveria ser de R$ 950 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e R$ 800 mil no resto do país.

O teto de R$ 1,5 milhão já vigorou anteriormente, mas como medida provisória. Agora, além de aumentar o valor e fixá-lo, não há mais distinção do montante a ser usado de acordo com a região.

maior flexibilização

Outra mudança diz respeito à parcela do valor que os bancos são obrigados a aplicar no crédito imobiliário. Até então, os bancos deveriam destinar 65% do valor da caderneta de poupança para o financiamento de imóveis, sendo 80% empregados no SFH.

A partir de janeiro, a porcentagem de 80% deixará de vigorar, podendo imóveis de qualquer valor ser financiados.

Na prática, o pacote de medida flexibiliza a destinação de recursos dos bancos para o setor imobiliário, possibilitando a compra de imóveis mais caros, ao mesmo tempo em que auxilia a compra de imóveis abaixo de R$ 500 mil, favorecendo a classe média. E, no fim, a construção civil também comemora.

Exigências da construção civil

Recentemente, empresários e representantes da Câmara da Indústria da Construção Civil se reuniram com o governo para discutir medidas que deveriam ser tomadas para estimular a construção no país, já que o setor vinha recuando desde 2014.

As mudanças agradaram, porém não a data estipulada (1º de janeiro de 2019). Atualmente, os setores negociam para tentar fazer com que as medidas entrem em vigor já em setembro de 2018.

Um abraço da equipe Roca e até mais!