Guia do universitário: morar em kit, ap ou casa?


Quando procuramos um imóvel, nos preocupamos com localização, preço, facilidades (tópicos que já abordamos neste texto aqui). Além de tudo isso, há outro ponto essencial: o tipo de imóvel. Para universitários ou não, a pergunta é a mesma: morar em kitnet, apartamento ou casa?

KITNET

Kitnetes são pequenos apartamentos. Eles podem ser construídos em andares ou também apenas no térreo. Geralmente, apresentam no máximo três cômodos: cozinha/sala, quarto e banheiro. Alguns possuem uma sala separada da cozinha ou até mesmo uma pequena área de serviço. Em outros, a área de serviço pode ser comum a todos os moradores.

Pelo seu tamanho, as kitnetes são uma ótima opção para quem mora sozinho. Além do valor do aluguel ser menor, também há maior facilidade em manutenção e limpeza. Pessoas que passam a maior parte do tempo viajando ou no trabalho, também preferem kitnetes.

Alguns imóveis são espaçosos o suficiente para dividir com outra pessoa. Mas tudo irá depender muito da rotina. Por exemplo, se são duas pessoas que ficam a maior parte do tempo em casa, o espaço pode ficar pequeno para dois. Contudo, algumas kitnetes possuem até um pequeno quintal. O que pode ser ótimo para quem não se sente muito bem em espaços fechados.

Afora os pontos acima, na hora de alugar o imóvel, confira com sua imobiliária ou corretor se há taxa de condomínio, IPTU, se possui garagem e se o valor total já inclui alguma outra despesa como água, luz, gás ou até mesmo internet.

APARTAMENTO

Apartamentos costumam ser mais espaçosos e também possuir mais cômodos que as kitnetes. A divisão dos cômodos geralmente é composta por quarto, banheiro (suíte ou não), sala, cozinha e área de serviço. Alguns ainda possuem sacada, o que pode ser útil na ventilação do espaço.

Podem ser ideais para quem mora sozinho ou divide o local com alguém. Para morar sozinho, apartamentos são úteis a pessoas que possuem muitos móveis, por exemplo. Ou mesmo pessoas que preferem lugares mais espaçosos. Para dividir, vários apartamentos possuem dois ou mais quartos, trazendo maior privacidade aos moradores.

Além desses pontos, apartamentos geralmente levam vantagem na questão segurança. Muitos possuem portaria 24 horas, câmeras de vigilância, portão e cerca elétrica. Ainda que mais espaçosos, apartamentos costumam ser menores que casas, sendo assim, caso você procure um imóvel em uma região central ou bem valorizada, optar pelo apartamento pode ser financeiramente atrativo.

Afora questões relacionadas ao valor, não deixe de conferir a estrutura do condomínio, se há apenas escadas ou elevadores, quantos apartamentos há por andar, se possui área de lazer ou garagem, etc.

CASA

Casas, sem dúvida, são vantajosas no quesito espaço. Os modelos variam de acordo com o perfil do morador e também com relação ao valor. Há casas com garagens para mais de um carro, quintal espaçoso, cozinha + sala de jantar, vários banheiros, escritório, etc.

Este tipo de imóvel é o mais ideal para repúblicas com vários moradores ou mesmo para grandes famílias. Por conta de serem separadas de outras construções por muros, oferecem maior privacidade e menos problemas com barulho de vizinhos, por exemplo. Casas ainda são ideais para pessoas que possuem algum bichinho de estimação ou tenham vontade de ter um jardim.

Ainda que haja casas localizadas em condomínio, a maior parte delas não têm essa despesa. O que pode ser um atrativo. Por outro lado, requerem maior manutenção e também maior cuidado com segurança.

Seja qual for o tipo de imóvel, esteja sempre atento à localização, valores, diferenciais, estrutura da construção e espaço. Informe à sua imobiliária ou corretor quais suas necessidades, assim, eles podem te ajudar a fazer a melhor escolha.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Quais as vantagens de morar em condomínio?


Falamos aqui no blog, recentemente, sobre o pacote de medidas, lançado pelo Governo Federal, para facilitar a compra da casa própria. Depois de verificar as possibilidades de financiamento, vem uma parte também muito importante: qual imóvel adquirir? Dentre as opções, casas em condomínios fechados estão entre as mais procuradas. Mas, por que esse tipo de investimento ganhou tanto destaque nos últimos anos? Confira aqui algumas vantagens de morar em condomínio.

segurança e privacidade

Um dos pontos mais fortes que tem elevado o investimento em condomínios de casas está relacionado à segurança. Vários empreendimentos oferecem portaria 24 horas, além de muros altos, cerca elétrica, monitoramento por câmeras e também por ronda. Ou seja, não há dúvidas de que você e sua família estarão seguros.

Além disso, condomínios também dão maior privacidade, já que as visitas são controladas pela portaria e as ruas são apenas usadas para movimentação dos moradores, evitando alguns transtornos que podem acontecer em vias públicas.

crianças

Quando o assunto é crianças, os condomínios, além de oferecerem segurança, também oferecem conforto. Vários empreendimentos oferecem espaço kids, o que facilita a vida dos pais ao poderem levar os filhos para brincar perto de casa.

Ademais, condomínios se organizam em torno de uma comunidade que deverá tomar algumas decisões em conjunto. Isso faz com que você conheça seus vizinhos, fazendo com que, por exemplo, sinta-se à vontade para deixar as crianças brincarem na frente de casa.

valorização

Condomínios seguem um projeto de construção rigoroso. Embora com isso as casas sejam padronizadas, restritas a alguns modelos, tal fator garante a qualidade do projeto arquitetônico como um todo – casas, espaços comuns e ruas. Além disso, há vários condomínios localizados em lugares privilegiados da cidade, trazendo conforto aos seus moradores e também garantindo a valorização do empreendimento.

Tais fatores fazem o investimento em um condomínio ser garantido.

qualidade de vida

Como uma junção de todos os fatores acima, temos a qualidade de vida. Morar em um condomínio fechado proporciona maior tranquilidade e conforto. Além disso, alguns empreendimentos oferecem opções de lazer como piscinas, jardins, quadras de esportes, etc.

E aí? Pronto para a mudança? Procure um corretor ou imobiliária de confiança e veja as opções de condomínios em sua cidade! 🙂

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Setor imobiliário ganha pacote de medidas e FGTS pode ser usado para a compra de imóveis de até 1,5 milhão


Trabalhadores em regime CLT possuem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Esse fundo é semelhante a uma poupança, porém, aberta pelo empregador em nome do empregado. Tal valor pode ser usado em algumas situações, e uma delas é adquirir a casa própria.
Tal procedimento é um dos mais buscados atualmente e é regularizado por algumas regras. Uma delas foi alterada recentemente: agora será possível financiar imóveis até o valor de 1,5 milhão, utilizando recursos do FGTS.

o que muda?

A medida valerá a partir de 1º de janeiro de 2019 e pode ser usada para o financiamento de imóveis residenciais novos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Antes das mudanças, o valor máximo do imóvel a ser financiado deveria ser de R$ 950 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e R$ 800 mil no resto do país.

O teto de R$ 1,5 milhão já vigorou anteriormente, mas como medida provisória. Agora, além de aumentar o valor e fixá-lo, não há mais distinção do montante a ser usado de acordo com a região.

maior flexibilização

Outra mudança diz respeito à parcela do valor que os bancos são obrigados a aplicar no crédito imobiliário. Até então, os bancos deveriam destinar 65% do valor da caderneta de poupança para o financiamento de imóveis, sendo 80% empregados no SFH.

A partir de janeiro, a porcentagem de 80% deixará de vigorar, podendo imóveis de qualquer valor ser financiados.

Na prática, o pacote de medida flexibiliza a destinação de recursos dos bancos para o setor imobiliário, possibilitando a compra de imóveis mais caros, ao mesmo tempo em que auxilia a compra de imóveis abaixo de R$ 500 mil, favorecendo a classe média. E, no fim, a construção civil também comemora.

Exigências da construção civil

Recentemente, empresários e representantes da Câmara da Indústria da Construção Civil se reuniram com o governo para discutir medidas que deveriam ser tomadas para estimular a construção no país, já que o setor vinha recuando desde 2014.

As mudanças agradaram, porém não a data estipulada (1º de janeiro de 2019). Atualmente, os setores negociam para tentar fazer com que as medidas entrem em vigor já em setembro de 2018.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Guia do calouro: morar sozinho ou em república?


Ir morar em outra cidade ou estado é sempre um desafio para calouros que acabaram de ingressar na faculdade. Fora a pressão de iniciar uma carreira, há muitas outras decisões a serem tomadas. Por isso, já falamos aqui no blog sobre Onde e com quem morar em São Carlos. Hoje, vamos voltar um pouco a esse tópico e discutir sobre o que é melhor: morar sozinho ou em república?

PERFIL SOCIAL

Um dos principais pontos a ser levado em consideração é o seu perfil social. Em cidades universitárias, há diversas repúblicas tradicionais. Essas repúblicas são casas de estudantes que existem há anos e, por isso mesmo, além de terem seus nomes conhecidos no meio universitário, também possuem um calendário social.

Por exemplo, muitas repúblicas participam ou até mesmo coordenam projetos de assistência social. Além disso, essas repúblicas organizam festas que são tradicionais na cidade.

Resumindo: em primeiro lugar, para se dar bem em uma rep, você precisa estar disposto a participar de todos esses eventos. Eles são construídos e organizados entre os moradores e será esperado que você ajude nessa organização.

PERFIL INTERPESSOAL

Em segundo lugar, temos a sua relação com as outras pessoas. Pessoas mais introvertidas tendem a preferir morar sozinhas. Isso permite que elas tenham seu próprio espaço, possam organizá-lo como quiserem e procurem contato social apenas quando desejarem.

Já pessoas extrovertidas, geralmente, não têm problema em dividir os cômodos da casa (inclusive o quarto) com várias pessoas, optando por morar em repúblicas. Pessoas que se encaixam nesse perfil podem se sentir sozinhas caso decidam morar sozinhas.

Por outro lado, há pessoas que buscam, conscientemente, tomar decisões que não se encaixam tanto no perfil. Como assim? Por exemplo, se você é uma pessoa introvertida e, por isso mesmo, gostaria de conviver com mais pessoas e interagir mais socialmente, procurar uma república pode ser um bom começo.

PERFIL ECONÔMICO

Por fim, um outro ponto muito importante é a questão econômica. De forma geral, morar em repúblicas sai mais barato. Isso porque as contas são divididas em várias pessoas. Além disso, é possível morar em uma casa muito grande, em um ótimo bairro, pagando um preço acessível.

Para pessoas que prefiram morar sozinhas, será necessário gastar um pouco mais. Não só para pagar o aluguel, mas também, por exemplo, para mobiliar a kit ou ap.

Leve em consideração todas suas despesas: aluguel, água, luz, condomínio, alimentação e mobilidade, para decidir qual das opções é mais acessível economicamente para você.

 

Para tomar a decisão de morar sozinho ou em rep a principal questão é: faça escolhas que estejam de acordo com o seu perfil e que o deixem o mais confortável possível. Morar em um ambiente que não lhe agrada pode prejudicar diretamente seus estudos. Além disso, lembre-se de que essas decisões não são eternas! Caso você tenha feito uma escolha e depois percebeu que não se sente muito satisfeito com ela, você ainda pode mudar e procurar outro lugar que lhe agrade mais 🙂

Um abraço da equipe Roca e até mais!

O guia completo de como fazer mudança


Mudar de casa é um processo de renovação. Ir para um imóvel novo, mais perto do trabalho, da faculdade, que seja mais sua cara ou até mesmo mudar de cidade. A sensação de entrar na casa nova é ótima. Mas, só de pensar em todo o trabalho já vem aquela preocupação? Confira, nesse guia de como fazer mudança, dicas para facilitar o processo e ter uma mudança tranquila, sem caos.

pré-mudança

Antes de começar a mudar de fato, é necessário preocupar-se com alguns pontos. Primeiro, veja a melhor data. Isso deve levar em consideração, além da sua disponibilidade, também as regras do local para onde você vai. Por exemplo, alguns condomínios permitem mudanças apenas em dias e horários específicos. Não se esqueça de verificar essa questão para não ser pego de surpresa.

Depois, já providencie o orçamento do frete. Assim você terá tempo de escolher o melhor custo/benefício e também de já ver a disponibilidade do serviço.

instalações

Também providencie com antecedência as instalações, por exemplo, o chuveiro, e confira se a energia da casa está ligada. Meça os cômodos para saber se seus móveis irão caber e evite surpresas de última hora. Também deixe certo quais móveis precisarão ser desmontados/montados ou colocados nas paredes, e quem realizará esse trabalho.

embalagens

Em seguida, providencie as caixas ou embalagens que serão usadas. Alguns fretes já oferecem o material, outros não. Você pode pedir algumas caixas em supermercados, por exemplo, ou outras lojas. Também pode usar jornais ou páginas de revistas para embalar os objetos frágeis. A questão é não deixar nada para a última hora, vá embalando os objetos que você menos usa aos poucos.

desapego

Essa é uma boa hora para fazer aquele limpa e doar ou vender objetos e roupas que você não usa mais. Leve só o necessário e economize tempo e trabalho!

facilite o processo

Roupas de pendurar podem ser levadas direto no cabide. Você também pode levar as gavetas dos móveis já com os objetos dentro. Assim, na hora de arrumar, é só colocar no lugar.

separe e organize

Escreva nas embalagens a quais cômodos elas pertencem. Por exemplo, na caixa de panelas escreva “cozinha”. Depois, decida a ordem em que levará os móveis e caixas e oriente o frete sobre em quais cômodos ele deve colocá-los. Assim você não corre o risco de precisar mover objetos pesados sozinho.

deixe alguns objetos com você

O ideal é que objetos de grande valor (monetário ou sentimental) sejam carregados com você no carro. Também separe, para cada morador, uma pequena mala com alguns itens necessários, por exemplo: algumas mudas de roupa, documentos pessoais e objetos de higiene pessoal. Assim, depois da mudança, você conseguirá viver normalmente sem precisar revirar as caixas em busca desses objetos.

prioridades

Comece arrumando os cômodos mais usados como, por exemplo, a cozinha. Depois, passe para o banheiro, quartos, sala e só depois outros como escritório. Objetos de decoração, livros, discos, etc, podem ser arrumados ao longo das semanas e com calma. Foque nos objetos que são mais usados e necessários para você e sua família.

Pronto! Sua mudança será um sucesso e você poderá curtir a casa nova com tranquilidade, sem estresse ou contratempos.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Guia do Universitário: cuidados com a casa antes de sair de férias


As aulas estão terminando e está na hora de descansar, não é mesmo? É hora de voltar para a casa da família, rever amigos de outras cidades e até viajar. Mas, como deixar sua outra casa/kit/ap para trás, em segurança e bem-cuidada? Veja no post de hoje um passo a passo para sair de férias e não ter preocupações!

PASSO 1: PARTE ELÉTRICA E HIDRÁULICA

Uma das primeiras medidas a ser tomada antes de sair de férias é desligar TUDO. Retire todos os eletrodomésticos da tomada, assim você evita curtos-circuitos e, também, economiza energia. Além disso, não se esqueça de desligar o registro geral de água. Caso haja vazamentos ou algum cano estoure enquanto estiver fora, você não corre o risco de ter alguma parte da casa inundada e não paga uma conta de água exorbitante.

passo 2: alimentos

O ideal é que você consuma todos os alimentos da despensa e geladeira, para que não vençam ou estraguem. Assim, você também pode tirar a geladeira da tomada (faça isso um tempo antes, para poder retirar a água do degelo).

passo 3: limpeza

Não se esqueça também de retirar os lixos e lavar as louças antes de sair! Isso evita que você volte e encontre um cheirinho desagradável 😉

passo 4: pets

Se tiver algum animalzinho de estimação, lembre-se de conferir qual é o procedimento ideal para levá-lo com você (isso depende da sua forma de locomoção, se irá viajar de carro, ônibus ou avião). Caso seu animalzinho não possa o acompanhar, veja se há algum amigo que possa ficar com ele enquanto você estiver de férias.

passo 5: contas

Você estará de férias, mas as despesas não! Não se esqueça de pagar ou agendar o pagamento do aluguel, condomínio, água, luz, cartão de crédito… A facilidade atualmente é que praticamente todos os boletos podem ser gerados e pagos online. o/

passo 6: avise alguém

Se você tiver um vizinho em quem confie muito, avise ele que você ficará fora por um tempo e peça para que ele dê uma olhadinha na sua casa ou ap. Não se esqueça de deixar seu contato com ele, caso seja necessário falar com você.

Agora você e sua casa estão prontos para curtir este tão merecido descanso! Aproveite e boas férias!

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Quais as vantagens de comprar um imóvel?

 

Recentemente, falamos aqui no blog sobre A retomada do mercado imobiliário em 2018 . Após três anos de instabilidade financeira, o PIB brasileiro voltou a subir, o que, somado a outros fatores, causou um aquecimento no mercado imobiliário. Como consequência, especialistas afirmam que este é um bom momento para comprar um imóvel. Conheça, no post de hoje, algumas vantagens dessa compra.

INVESTIMENTO

A compra de um imóvel é um investimento. Seja para morar ou alugar, adquirir uma casa ou apartamento significa a construção de um patrimônio próprio além de, em alguns casos, também ser a realização de um sonho. Imóveis são bens duráveis que tendem à valorização, ou seja, você não perde dinheiro e ainda possui um bem que pode garantir estabilidade financeira à família. Para isso, é necessário planejar com cuidado a compra e pedir ajuda de profissionais que podem orientá-lo (a) com relação às melhores ofertas e localizações, além de oferecer respaldo com documentação.

customização

Para quem pretende comprar um imóvel para uso próprio, poder customizá-lo à sua maneira é uma das principais vantagens. Ao morar em casa ou apartamento de terceiros, é necessário pedir permissão ao dono para qualquer modificação e, ainda assim, algumas podem não ser aprovadas. Por outro lado, ter um imóvel para chamar de seu facilita o processo de reforma, que também pode ser feito aos poucos de acordo com o investimento disponível.

flexibilidade de uso

O mercado de imóveis é diversificado e possui ofertas para todos os públicos. Com a facilidade para se obter um financiamento e o surgimento de programas como o Minha Casa, Minha vida, tornou-se mais fácil (e prático) adquirir uma casa ou apartamento para quem quer sair do aluguel. Já para quem procura investimentos, a compra de imóveis para uso comercial é uma opção, assim como a compra de apartamentos populares que se destinarão à locação. Há ainda a possibilidade de investimento em propriedades rurais.

Fique de olhe no blog, em breve postaremos mais dicas sobre a compra e financiamento de imóveis.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Por que contratar uma imobiliária ou corretor?


Comprar ou alugar um imóvel envolve diversas variáveis: é necessário avaliar o valor do imóvel, sua localização, estrutura, contrato, entre outras. Esse processo pode ser complicado para pessoas leigas no assunto, por isso é tão importante procurar um profissional registrado, seja imobiliária ou corretor.

POR QUE PROCURAR UM PROFISSIONAL COM REGISTRO CRECI?

O CRECI é o Conselho Regional de Corretores de Imóveis. Segundo o site da instituição sua missão é “disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de corretor de imóveis”.
Imagine que você irá contratar um advogado. É indispensável que ele tenha registro na OAB para que você tenha a certeza de estar contratando um profissional capaz, certo? Com o CRECI é a mesma coisa. O registro no Conselho é obrigatório para todos que exercem a profissão de corretores. Sem esse registro, o profissional é considerado ilegal.
Além de garantir a qualidade dos serviços, ao ser atendido por profissionais com CRECI, você garante respaldo jurídico, já que a entidade é uma autarquia do Estado.

QUAIS AS FUNÇÕES DO CORRETOR OU IMOBILIÁRIA?

Tanto imobiliárias quanto corretores são uma ponte entre o comprador (ou locatário) e o proprietário do imóvel. Sua função é atuar como um consultor. É necessário que esse profissional apresente o imóvel ao todo, suas qualidades e também defeitos, e ofereça outras informações como, por exemplo, sobre a localização.
Já para o proprietário que quer vender ou alugar, esses profissionais podem oferecer informações de como valorizar o imóvel, sugerir mudanças, além de serem responsáveis pela divulgação.

EM QUAL PROFISSIONAL CONFIAR?

Além de procurar empresas ou pessoas que atuam na área com o registro CRECI, é necessário que você confie em seu corretor. Sabe aquela sensação de desconforto que temos quando vamos a uma loja e o vendedor quer nos fazer comprar qualquer produto? Sem levar em conta nossas necessidades? Pois bem, essa é uma sensação que você não pode ter ao negociar um imóvel!
Segundo o artigo 723, do Código Civil, “O corretor é obrigado a executar a mediação com diligência e prudência, e a prestar ao cliente, espontaneamente, todas as informações sobre o andamento do negócio”.

É importante que você se sinta seguro durante a transação. Um bom profissional irá te auxiliar durante todo o processo, tirando todas suas dúvidas, inclusive com relação ao contrato.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Laudo de Vistoria: uma etapa importante da mudança

 

Agora que você já decidiu qual imóvel alugar e o contrato entre o locador e o locatário foi firmado, vem uma nova etapa muito importante e que não deve passar despercebida: a vistoria.

o que é o laudo de vistoria?

Junto com o seu contrato de locação (seja para fins residenciais ou comerciais), você receberá, da sua imobiliária, um laudo de vistoria. Este documento contém as especificações do seu novo imóvel. No laudo há, basicamente, uma descrição das partes que compõem o imóvel (como janelas, portas, torneiras, interruptores, etc) e o estado de conservação em que elas se encontram.

qual a importância de ler o laudo de vistoria?

Com a emoção da mudança, muitos inquilinos deixam passar despercebido tal laudo. Porém, é muito importante que você leia este documento com atenção e faça um tour pela sua casa conferindo se o que está no laudo está de acordo com a realidade.
Uma simples ação como essa pode evitar que você tenha problemas futuros.
Um exemplo?
Bom, imagine que no seu laudo de vistoria diga que na sua cozinha há uma janela em que todos os vidros estão em perfeito estado. Você faz sua mudança e apenas um mês depois percebe que havia um trinco em um desses vidros. Com a demora para perceber o problema, fica difícil para que a imobiliária consiga atestar se o vidro já estava mesmo trincado ou houve mau uso.
Porém, se você perceber logo após a mudança que há alguma diferença entre o laudo de vistoria e algum elemento da casa, é só avisar sua imobiliária e ela providenciará a solução do problema o mais rápido possível!

como conferir a vistoria?

O laudo de seu imóvel será composto por algumas partes. É muito importante que você esteja atento a todas elas. Geralmente, a vistoria é dividida em: pintura; trincos e fechaduras; parte hidráulica; pisos e azulejos; parte elétrica; e vidraças.
Neste caso, não adianta só ler o que está no papel. É necessário que você dedique um tempo e confira, com calma e atenção, cada parte do seu imóvel.

não se esqueça de:
  • Testar as tomadas e interruptores;
  • Conferir se há algum vazamento (pias, tanques, etc);
  • Observar se há algum problema na pintura ou nas paredes;
  • Conferir com atenção portas e janelas;
  • Testar torneiras, vaso sanitário e chuveiro (se houver);
  • Conferir com atenção todos os pisos e azulejos e atestar se não há algum que esteja trincado.

Pronto! Depois desse processo, você pode curtir seu imóvel tranquilamente e sem dores de cabeça 😊

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Guia do Calouro: dicas para facilitar seu dia a dia na nova cidade

 

Agora que você já mudou, escolheu onde e com quem morar, vem um novo processo: a adaptação. Muitos alunos se sentem deslocados e até um pouco sozinhos no começo. Isso não é motivo de vergonha, viu?! Para quem morou sempre com os pais, mudar de casa e de cidade é um processo muito complexo e pode levar um tempinho mesmo para se adaptar. Por isso, preparamos aqui algumas dicas para te ajudar a curtir o dia a dia na sua nova cidade 🙂

conheça os serviços que a universidade oferece

Algo importante a entender desde o começo é que a universidade vai te oferecer muito mais do que aulas, elas são apenas uma parte do seu processo de formação. Converse com veteranos, acompanhe os e-mails institucionais ou perfis da faculdade e centros acadêmicos no Facebook. A USP e a USFSCar aqui de São Carlos, por exemplo, possuem uma grade de programações que vão desde palestras e cursos de idiomas até exibições de filmes e outras atividades culturais. Essas atividades são ótimas para conhecer novas pessoas, montar uma rotina na nova cidade e se divertir, além de aprender. Também procure sobre os serviços de auxílio que sua universidade disponibiliza, como alimentação, saúde e esportes. Conheça tudo que puder!

preocupe-se com sua alimentação

Às vezes a rotina de estudos irá consumir uma boa parte do seu tempo, fazendo com que você se esqueça de coisas importantes como: comer. Aqui, a questão é organização. Se você sabe que na terça, por exemplo, vai estar o dia todo ocupado, faça um pouco de comida a mais na segunda, assim, no dia seguinte, você não precisa cozinhar. Também sempre confira com antecedência os alimentos na sua despensa. Se estiver faltando algo, você pode ir ao mercado antes ao invés de deixar para a última hora. Se você for do tipo que não gosta ou não sabe cozinhar, peça dicas para algum amigo, para a família ou procure receitas na internet. Alguns sites disponibilizam até um cardápio para estudantes, com preparos rápidos, econômicos e fáceis!

regule os gastos

Outro fator que também exige organização é a questão econômica. Agora que você mora sozinho, faz parte do processo de mudança e amadurecimento que você seja o responsável por monitorar seus gastos e saber para onde dedicar o dinheiro recebido. O ideal é ter uma planilha ou um caderninho no qual você possa anotar suas despesas. Caso você não queira ser tão organizado assim, tenha estipulado mentalmente o quanto do seu dinheiro você irá gastar em: despesas da casa, supermercado e lazer.

viva a cidade

É aquele ditado, né?! Aproveite tudo que está disponível a você! A universidade, os amigos, a vizinhança… Não tenha medo de pedir informações e de tentar novas experiências. Aos poucos você irá perceber que está completamente adaptado e terá, inclusive, seus locais preferidos: a padaria que faz o pão que você gosta, o mercado que oferece os produtos que você precisa, o barzinho em que você se sente mais à vontade. Que esses sejam anos de muito estudo, (re)conhecimento e também diversão!

Um abraço da equipe Roca e até mais!