Setor imobiliário ganha pacote de medidas e FGTS pode ser usado para a compra de imóveis de até 1,5 milhão


Trabalhadores em regime CLT possuem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Esse fundo é semelhante a uma poupança, porém, aberta pelo empregador em nome do empregado. Tal valor pode ser usado em algumas situações, e uma delas é adquirir a casa própria.
Tal procedimento é um dos mais buscados atualmente e é regularizado por algumas regras. Uma delas foi alterada recentemente: agora será possível financiar imóveis até o valor de 1,5 milhão, utilizando recursos do FGTS.

o que muda?

A medida valerá a partir de 1º de janeiro de 2019 e pode ser usada para o financiamento de imóveis residenciais novos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Antes das mudanças, o valor máximo do imóvel a ser financiado deveria ser de R$ 950 mil em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e R$ 800 mil no resto do país.

O teto de R$ 1,5 milhão já vigorou anteriormente, mas como medida provisória. Agora, além de aumentar o valor e fixá-lo, não há mais distinção do montante a ser usado de acordo com a região.

maior flexibilização

Outra mudança diz respeito à parcela do valor que os bancos são obrigados a aplicar no crédito imobiliário. Até então, os bancos deveriam destinar 65% do valor da caderneta de poupança para o financiamento de imóveis, sendo 80% empregados no SFH.

A partir de janeiro, a porcentagem de 80% deixará de vigorar, podendo imóveis de qualquer valor ser financiados.

Na prática, o pacote de medida flexibiliza a destinação de recursos dos bancos para o setor imobiliário, possibilitando a compra de imóveis mais caros, ao mesmo tempo em que auxilia a compra de imóveis abaixo de R$ 500 mil, favorecendo a classe média. E, no fim, a construção civil também comemora.

Exigências da construção civil

Recentemente, empresários e representantes da Câmara da Indústria da Construção Civil se reuniram com o governo para discutir medidas que deveriam ser tomadas para estimular a construção no país, já que o setor vinha recuando desde 2014.

As mudanças agradaram, porém não a data estipulada (1º de janeiro de 2019). Atualmente, os setores negociam para tentar fazer com que as medidas entrem em vigor já em setembro de 2018.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

Quais as vantagens de comprar um imóvel?

 

Recentemente, falamos aqui no blog sobre A retomada do mercado imobiliário em 2018 . Após três anos de instabilidade financeira, o PIB brasileiro voltou a subir, o que, somado a outros fatores, causou um aquecimento no mercado imobiliário. Como consequência, especialistas afirmam que este é um bom momento para comprar um imóvel. Conheça, no post de hoje, algumas vantagens dessa compra.

INVESTIMENTO

A compra de um imóvel é um investimento. Seja para morar ou alugar, adquirir uma casa ou apartamento significa a construção de um patrimônio próprio além de, em alguns casos, também ser a realização de um sonho. Imóveis são bens duráveis que tendem à valorização, ou seja, você não perde dinheiro e ainda possui um bem que pode garantir estabilidade financeira à família. Para isso, é necessário planejar com cuidado a compra e pedir ajuda de profissionais que podem orientá-lo (a) com relação às melhores ofertas e localizações, além de oferecer respaldo com documentação.

customização

Para quem pretende comprar um imóvel para uso próprio, poder customizá-lo à sua maneira é uma das principais vantagens. Ao morar em casa ou apartamento de terceiros, é necessário pedir permissão ao dono para qualquer modificação e, ainda assim, algumas podem não ser aprovadas. Por outro lado, ter um imóvel para chamar de seu facilita o processo de reforma, que também pode ser feito aos poucos de acordo com o investimento disponível.

flexibilidade de uso

O mercado de imóveis é diversificado e possui ofertas para todos os públicos. Com a facilidade para se obter um financiamento e o surgimento de programas como o Minha Casa, Minha vida, tornou-se mais fácil (e prático) adquirir uma casa ou apartamento para quem quer sair do aluguel. Já para quem procura investimentos, a compra de imóveis para uso comercial é uma opção, assim como a compra de apartamentos populares que se destinarão à locação. Há ainda a possibilidade de investimento em propriedades rurais.

Fique de olhe no blog, em breve postaremos mais dicas sobre a compra e financiamento de imóveis.

Um abraço da equipe Roca e até mais!

A retomada do mercado imobiliário em 2018

 

Em 2014, o Brasil iniciou um período de crise financeira e política que, infelizmente, atingiria vários setores por um longo período. O PIB (Produto Interno Bruto) recuou e a taxa de desemprego aumentou, causando tensões na economia brasileira. Contudo, após três anos de quedas, em junho de 2017, o PIB voltou a subir, dando esperanças ao país de sair da recessão e fazendo com que alguns setores voltassem a respirar aliviados, dentre eles, o mercado imobiliário.

em 2018, o brasil volta a crescer

A previsão do Ministério da Fazenda e da ONU para o crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil, em 2018, gira em torno de 3% (o maior aumento desde 2014), reafirmando as expectativas de crescimento para o país. A continuação do crescimento visto em 2017 aquece o mercado imobiliário, que fechou o ano passado com resultados positivos.

expectativas para o mercado imobiliário

Segundo matéria publicada pela CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), em 2018 o mercado imobiliário volta a crescer, tendo na região Sudeste a principal responsável pelos resultados.
Nas palavras de José Carlos Martins, presidente da organização:

“Prevemos que 2018 será um bom ano. 2017 mostrou que o setor começou a se recuperar. Podemos dizer que foi o ano da virada, já que 2015 e 16 foram os piores anos nos últimos 15 anos. Estamos otimistas em relação a 2018, apesar de sabermos que o país ainda não resolveu problemas estruturais, como a reforma da Previdência. Mas mesmo assim, acreditamos num crescimento em torno de 10%.”

o que influencia a retomada do setor imobiliário

Diversos periódicos vêm noticiando alguns fatores que são responsáveis pelo crescimento do mercado imobiliário e pelas previsões otimistas. Dentre eles:

  • Diminuição da taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e de Custódia), o que aumenta o crédito imobiliário;
  • Mudança nas regras do Minha Casa, Minha Vida, elevando a renda familiar máxima para R$9 mil e, consequentemente, aumentando o número de pessoas que podem ser beneficiadas por esse programa;
  • Maior poder de compra por parte do consumidor como resultado da queda da inflação e das taxas de juros.

A dica é para que o consumidor aproveite o momento e fique de olho nas oportunidades oferecidas por bancos e financiadoras.

Um abraço da equipe Roca e até mais!